fechar X
assine
Newsletter

Pequenas e vorazes: saiba mais sobre as formigas cortadeiras e aprenda como combatê-las

Publicado em 29 de Jan de 2016 por Isadora Couto |COMENTE

Quem nunca viu uma formiga pequena carregando um enorme pedaço de folha? As formigas cortadeiras são típicas dos jardins. Saiba como combatê-la



Texto Daniel Keny | Adaptação Isadora Couto | Foto Shutterstock 

 

Pequenas e vorazes: saiba mais sobre as formigas cortadeiras e aprenda como combatê-las

 

Originárias do continente americano, as formigas cortadeiras mais comuns são a saúva e a quenquém. Entre as 2.000 espécies (aproximadamente) de formigas existentes no Brasil, a cortadeira é uma das pragas que mais causam estragos em jardins. Apesar da função importante que têm na natureza realizam a aeração e incorporam nutrientes ao solo, possibilitam a germinação de plantas e predam aranhas, centopeias, gafanhotos e outros artrópodes, as saúvas possuem um ataque voraz a algumas plantas.

Estima-se que, só no estado de São Paulo, existam 100 milhões de sauveiros. Eles juntos cortam cerca de 180 milhões de toneladas de matéria vegetal e removem 200 milhões de metros cúbicos de terra. Mas na prática, em nossos lares, o que isso significa? Primeiro é preciso entender que as cortadeiras não se alimentam diretamente das plantas que coletam. Elas levam material vegetal para o formigueiro e lá o cultivam para o desenvolvimento de um fungo essencial à sua alimentação.



Como combatê-las?

O uso de produtos químicos é o método mais eficaz para eliminar as cortadeiras. A forma mais fácil e barata de se controlar essa praga é por meio de iscas tóxicas. As feitas à base de sulfluramida ou fipronil, de baixa toxicidade, são eficientes para atingir as quenquéns. Após 48 horas da aplicação do produto, que deve ser espalhado pelo caminho das formigas, as que ingeriam o inseticida começam a sofrer a paralisia. O controle das saúvas, mais ativas à noite e em dias nublados, também se faz espalhando o mesmo produto químico nas trilhas por onde elas passam.

Vale ressaltar que as iscas não devem ser colocadas diretamente dentro do ninho, e também não podem ser tocadas com as mãos, pois o seu cheiro pode sofrer alterações, diminuindo a sua eficácia. No inverno, é importante intensificar os cuidados para reduzir as revoadas na primavera. Para acertar na dosagem, no caso das saúvas, basta medir o monte de terra produzido por elas, avaliando sua largura e comprimento. Multiplicando as medidas, obtém-se a área do formigueiro, então se utiliza 10 gramas do produto para cada metro quadrado.

A termonebulização é uma alternativa de combate. Com o equipamento adequado para o procedimento, um técnico irá injetar uma fumaça que intoxicará as formigas por contato ou ingestão, ou seja, o inseto que não morrer quando entrar em contato com o veneno, morrerá quando for se alimentar. Se bem executado, o resultado é imediato.



Como se inicia um formigueiro?

A fundação de uma colônia de formigas começa no voo da rainha. Alguns machos a fecundam e morrem depois. A rainha solta suas asas e perfura um buraco com profundidade até 25 cm, onde começará novo reinado, colocando ovos e cultivando fungos. Em até três meses o tempo varia de acordo com as condições climáticas a colônia já funciona perfeitamente, com o trabalho das operárias na criação e limpeza das galerias e cultivo de alimento.

 

Revista Plantas Flores & Jardins | Ed.90


 
COMENTE